Jungle King

O que iPhone, Nike, Adidas e Swarovski têm em comum? Todas essas marcas globais têm suas cópias fiéis chinesas. No mundo dos carros, esse padrão não era diferente no país asiático. Diversos modelos de BMW, Mercedes-Benz, Land Rover e outras fabricantes premium eram inescrupulosamente copiados por chinesas, resultando em bizarrices como o já lendário Land Wind X7. Mas a 14ª edição do Salão de Pequim, em andamento na capital chinesa, mostrou que, ao menos no universo automotivo, esse comportamento já faz parte do passado.

Das 68 montadoras da China que expõem no evento, 16 levaram carros-conceito próprios a seus estandes. Algumas tinham até mais que um estudo à mostra. E, mais importante, nenhum deles se assemelha a veículos existentes no mercado (na galeria de fotos que acompanha esta reportagem há vários exemplos). Ao contrário, servem como vitrine a uma indústria que dá sinais de um amadurecimento rápido, num ritmo em que somente um país como a China, com todas as suas peculiaridades, parece capaz de atingir.

JAC SC5 prevê nova identidade visual da marca

Os mais de 20 conceitos do salão variam em forma, tamanho e segmento. Há desde SUVs, cada vez mais popularizados por aqui, até esportivos elétricos. Começando pelas marcas atuantes no Brasil: a JAC revelou o SC5, um conceito utilitário médio que deverá balizar seus futuros lançamentos. Com uma grade trapezoidal estilizada, faróis de LED afilados e pontiagudos e uma silhueta mais tradicional, o estudo parece muito próximo ao que será o modelo de produção.

Conceito da Chery abusou da abordagem futurista

Já a Chery, com o conceito FV2030, divulgou seu lado mais ousado, exibindo um crossover aventureiro futurista com um conjunto óptico extremamente afilado envolvendo o veículo. As portas abrem para cima e revelam um interior igualmente abstrato e tecnológico. 

Grade ao estilo teia de aranha é o destaque do FAW X4

Entre os SUVs, um “outro” X4 certamente é um destaque. Mostrado pela FAW, o protótipo em cor laranja contrastante com o teto preto esbanja criatividade na grade frontal, que parece uma teia de aranha partindo do emblema da marca. Os farois são frisados. A silhueta, assim como no SC5, possui um desenho mais tradicional de utilitário (na contramão da tendência cupê dos SUVs europeus). 

SUV, tanque, jipe: difícil definir o Karlmann King, de visual "amassado"

Outro conceito que não passa despercebido no salão é o Karlmann King da IAT Design, empresa chinesa especializada em preparação. Seu desenho parece a materialização de uma ideia posta num papel que foi amassado e jogado fora, mas que depois foi resgatado da lata de lixo. Todo rugoso e cheio de vincos, curvas e dobras, o “monstro” é, por dentro, uma verdadeira mansão luxuosa, e deve ter esse visual imponente para meter medo mesmo. Os chineses endinheirados terão dez unidades à venda, por mais de US$ 1 milhão cada. 

Senova contribui para tendência dos "sem coluna B" na China

Fechando a conta dos principais conceitos de SUV, o mais interessante deles é o Senova OffSpace, desenvolvido pela submarca da BAIC. Grande, o conceito une tudo o que se espera de um SUV: espaço, robustez e design marcante. Mesmo distante do carro de produção, o OffSpace traz à realidade uma linguagem moderna e elegante, sem exagerar nos vincos, com vidros estreitos e rodas gigantes (comuns em estudos). As portas laterais abrem em direções opostas (as de trás, ao estilo “suicida”), tendência vista em pelo menos outros quatro conceitos expostos aqui em Pequim.

BAIC Arcfox 7 apostou na tradição asiática esportiva para o design

Quanto aos conceitos esportivos, dois modelos puxam a fila dos mais interessantes do Salão de equim. O primeiro é o Arcfox 7 da BAIC. Ainda que a companhia tenha optado por um visual menos ousado do ponto de vista da inovação, o resultado — um esportivo asiático clássico inspirado no Acura NSX — agradou bastante. As portas que abrem para cima dão um charme a mais ao esportivo. 

Já o Qiantu Motor K50, da CH Auto, talvez receba o prêmio de conceito mais bonito de todo o Salão de Pequim. O esportivo elétrico, com preço para rivalizar com o Tesla Model S na China (ao redor dos US$ 100 mil), já havia sido apresentado no Salão de Xangai de 2015, mas agora traz visual mais próximo do modelo de produção. 

Qiantu K50 é um dos carros mais interessantes do Salão de Pequim

A evolução entre um evento e outro fez bem ao K50, uma vez que, na estreia, a inspiração no Bugatti Veyron ainda estava muito nítida, a ponto de prejudicar sua personalidade. Em Pequim o carro ficou mais fluido, apostando nas ondulações da carroceria, especialmente atrás, para atribuir um design mais próprio. A frente é simples, pontiaguda. Um belo exemplo da evolução dos projetos automotivos chineses, que deixam entrever um futuro original no maior mercado do mundo.

Viagem a convite da Lifan

Share This
Jungle King Mapa do site